21 Novembro, 2019 15:59

Pesquisa apoiada pela Fapepi avalia saúde bucal de crianças com microcefalia

A microcefalia é uma condição neurológica que está chamando a atenção de pesquisadores, devido aos problemas decorrentes desta condição. É necessário portanto que sejam tomados cuidados específicos, dentre eles, com a saúde bucal, como mostra a pesquisa da professora Dra. Marcoeli Silva de Moura, titular da Universidade Federal do Piauí.

Apoiado pelo edital Fapepi/MS-DECIT/CNPq/SESAPI N° 002/2016 – PPSUS, o projeto teve por objetivo avaliar as alterações na cavidade bucal de crianças com microcefalia associada ao Zika vírus, condição com registro escasso na literatura científica. Com a pesquisa foi possível acompanhar essas crianças durante os três primeiros anos de vida, fase da erupção dos dentes de leite. 

“A partir do acompanhamento dessas crianças, pôde-se observar que elas apresentaram um retardo na erupção dentária. A erupção do primeiro dente representa um marco de desenvolvimento na vida da criança, e o completo desenvolvimento dentário capacita a criança a se alimentar adequadamente.  Crianças com microcefalia possuem mais chance de apresentar atraso na erupção do primeiro dente e alterações na sequência de erupção”, garante a pesquisadora, listando que há outros problemas que puderam ser observados.

“Além de apresentarem mais defeitos de desenvolvimento do esmalte nos dentes decíduos que crianças sem microcefalia. Esses defeitos de desenvolvimento dentário tornam os dentes mais suscetíveis ao desenvolvimento de cárie dentária. Outra alteração observada foi alteração na forma dos dentes. Algumas crianças com microcefalia apresentaram microdentes, dentes menores que o normal”, conclui.

Inicialmente, a equipe responsável pela pesquisa esperava acompanhar essas crianças no “Programa Preventivo para Gestantes e Bebês”, projeto odontológico de atenção materno infantil  da Universidade Federal do Piauí que funciona no Instituto de Perinatologia Social do Piauí, anexo da Maternidade Evangelina Rosa. Entretanto, em virtude das crianças estarem sendo acompanhadas no Centro Integrado de Reabilitação (CEIR) por uma equipe multidisciplinar, a equipe de pesquisadores deslocou-se para o CEIR para fazer o atendimento odontológico das crianças.

“No início da pesquisa cadastramos 79 crianças, mas ao final de dois anos de acompanhamento, apenas 59 permaneceram nas terapias oferecidas pelo CEIR. Conseguimos conscientizar os cuidadores sobre a importância da saúde bucal e treiná-los para realizar higiene bucal das crianças, promovendo um tratamento multiprofissional para esses pacientes. Foram realizados 445 atendimentos, com 35 visitas ao CEIR, doação de escovas, cremes dentais, aplicação tópica de flúor. Foram realizadas também restaurações e quatro frenotomias linguais em crianças com anquiloglossia (língua presa)”, relata a professora.

Para a professora, a pesquisa teve uma grande importância na melhoria do bem-estar dessas crianças e contribuiu no desenvolvimento da pesquisa em saúde bucal, uma vez que despertou nos cuidadores e demais profissionais de saúde uma maior atenção com relação ao tema. Ele defende ainda que, caso a pesquisa não fosse realizada, essas crianças não teriam assistência odontológica. Os dados apontados por Marcoeli mostram que a maioria delas possui atraso cognitivo e motor, e que 80% utilizam alimentação pastosa e 75% utilizam anticonvulsivantes. “É uma população altamente suscetível para o desenvolvimento de doenças bucais, que necessita de acompanhamento periódico”, comenta a pesquisadora.  

Microcefalia

A Microcefalia é uma condição neurológica em que o tamanho da cabeça e/ou seu perímetro cefálico occipito-frontal (OFC) tem um tamanho abaixo da média para a idade.Também é chamada de nanocefalia. A microcefalia pode ser congênita, adquirida ou desenvolver-se nos primeiros anos de vida. Pode ser provocada pela exposição a substâncias nocivas durante o desenvolvimento fetal ou estar associada com problemas ou síndromes genéticas hereditárias. Pesquisas recentes descobriram a relação da condição com o vírus Zika.

Dependendo da causa, a microcefalia pode apresentar-se como anomalia isolada ou associada a outros problemas de saúde em manifestações sindrômicas tipo: paralisia cerebral, epilepsia, déficits de visão e audição, retardo no desenvolvimento cognitivo, motor e fala.