28 Dezembro, 2017 14:10

Fapepi é parceira em projeto que visa a produção de medicamentos à base de canabinóides no Piauí

Nesta quinta-feira (28), o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Piauí (Fapepi), Francisco Guedes, esteve reunido com o governador Wellington Dias, bem como com representantes da Secretaria de Saúde e das Universidades Estadual e Federal para discutir a implantação de programas de pesquisa para a produção de medicamentos derivados dos canabinóides no estado do Piauí.

No encontro, ficou definida a criação de uma câmara setorial para o setor de biotecnologia no Piauí, além da liberação de cerca de R$ 1 milhão para o início dos trabalhos de beneficiamento dos canabinoides no estado.

De acordo com o governador Wellington Dias, o tratamento com o canabidiol, principal medicamento derivado dos canabinoides, já é adotado na rede pública estadual para pacientes que sofrem com crises epiléticas severas e o incentivo à produção no Piauí visa baratear os custos com o tratamento, tendo em vista que o medicamento atualmente é importado.

“Há um produto que é o canabidiol. Hoje nós já adotamos na rede de saúde do Piauí o atendimento e os paciente são gratuitamente assistidos pelo programa, mas, eu detectei um problema: a gente tem que importar, comprar dos Estados Unidos, de Israel e de outros países esse produto. Por que não produzir aqui? para o termos mais barato, inclusive. Então, a academia aceitou o desafio e hoje nós estamos autorizando um investimento de aproximadamente um milhão de reais e com as Universidades Estadual e Federal vamos começar este trabalho agora no início de 2018”, destacou.

Segundo o presidente da Fapepi, a expectativa é que os primeiros resultados dos investimentos na área comecem a ser visto em menos de um ano.

“As universidades Estadual e Federal apresentaram projetos de pesquisa para a produção e o uso medicinal dos canabinóides, a gente importa demais esse extrato para o tratamento de convulsões e epilepsias.  A universidades aceitaram o desafio e o governador já disponibilizou, através da Secretaria de Saúde e da Fundação de Amparo à Pesquisa, cerca de R$ 1 milhão para o início dos trabalhados no Piauí para que em menos de um ano a gente já possa apresentar resultados para o estado”, afirmou Francisco Guedes.